Roda de conversa trabalha as relações entre CSA – Comunidades que Sustentam a Agricultura e Patrimônios Alimentares. Atividade contempla o I Ciclo de palestras sobre CSA e Saúde na Fiocruz Brasília.

A noite da última segunda-feira de abril (24) foi marcada por uma estimulante roda de conversa sobre confiança, produção de alimentos e promoção da saúde na Escola de Governo da Fiocruz Brasília. “CSA e Patrimônios Alimentares” foram os temas trabalhados no primeiro encontro do Ciclo de Palestras 2017 CSA, atividade realizada entre os grupos de CSA Brasília e o Observatório Brasileiro de Hábitos Alimentares pelo projeto Portas Abertas.

A palestra foi ministrada pela articuladora da CSA Brasília, Renata Navega e a coordenadora do Programa de Alimentação, Nutrição e Cultura – Palin, Denise Oliveira e Silva. O momento contou com cerca de 50 pessoas entre agricultores/as, co-agricultores/as e interessados no tema de alguma forma.

Em sua fala, Renata teve como objetivo apresentar a lógica de funcionamento da CSA como uma tecnologia social que inova em relação a produção de alimentos e seus fluxos de distribuição. A expressão da língua inglesa Community Supported Agriculture é de onde deriva o nome brasileiro, Comunidade que Sustenta a Agricultura. “Com a CSA, saímos da cultura do preço para a cultura do apreço, uma ótima expressão, presente da nossa língua portuguesa que explica bem o modelo da CSA”, afirma a palestrante. Nesse sistema, não há uma relação simplesmente mercantil da produção e comercialização de alimentos. Os consumidores passam a ser co-agricultores/as, ou seja, participam do processo da agricultura sendo atores parceiros do/a agricultor/a no cultivo da comida cotidiana das famílias.

Seguindo no debate, Denise trouxe a relação existente entre a abordagem trazida pela CSA e a valorização dos patrimônios alimentares. A discussão de patrimônios alimentares está articulada com a discussão sobre sistemas alimentares, pano de fundo para a alternativa materializada na CSA. Entendendo um patrimônio alimentar como uma construção cultural das sociedades no que diz respeito aos saberes e práticas de produção e consumo de alimentos ancestrais, a CSA é uma ressignificação de fluxos e processos que reforçam as questões de sustentabilidade e promoção da saúde. “Vejo a tecnologia da CSA como uma pedagogia que oportuniza novas aprendizagens para uma vida mais saudável em todos os atores envolvidos nesse processo”, afirma Denise.

Após as falas das palestrantes, houve abertura para o debate entre os participantes onde agricultores/as e co-agricultores/as puderam compartilhar suas experiências, bem como dúvidas e inquietações em relação aos assuntos abordados nas explanações. Assuntos como crise hídrica no DF, motivação para iniciar comunidades na lógica do CSA e a necessidade de conhecermos profundamente a natureza e seus princípios para desenvolver nossas práticas foram temas trazidos pelas falas na conversa.

Este evento não será único, até novembro encontros mensais ocorrerão com assuntos correlatos ao tema central do ciclo de palestra: CSA. Abaixo, seguem as datas dos próximos encontros. Não fique de fora, venha, participe e divulgue esses momentos com interessados/as.

Registro ao término do encontro. Foto: Matheus Nascimento

CICLO DE PALESTRA CSA 2017 | Local: Escola de Governo Fiocruz

MAIO | 29

JUNHO | 26

JULHO | 31

AGOSTO | 28

SETEMBRO | 25

OUTUBRO | 30

NOVEMBRO | 27

Na sessão + água no feijão compartilhamos notícias, conteúdos, eventos e outras matérias produzidas por entidades, organizações e/ou pessoas pertinentes às temáticas trabalhadas no OBHA.