Nethis discute multilateralismo na regulação de agrotóxico

Tão importante quanto entender como se dá os mecanismos de regulação internacional, é compreender como ocorre o processo de internalização dessas recomendações pelos países. Segundo os pesquisadores do Nethis/Fiocruz Brasília, apesar do atual esforço brasileiro em implementar o sistema harmonizado global (GHS), que classifica os agrotóxicos de acordo com seus perigos, o novo regulamento do país não leva em consideração todo o ciclo de vida dessas substâncias, o que inclui, por exemplo, as formas de descarte dessas substâncias.

A atuação de organismos internacionais é sempre valiosa e oportuna no enfrentamento das questões de saúde em zonas fronteiriças. Essa ajuda adquire maior expressão e efetividade quando ocorre em sinergia com governos e instituições nacionais, visando à sustentabilidade de ações que exigem perenidade ou largo período de intervenção. Análises e discussões dessas experiências são indispensáveis para a formulação de políticas e estratégias para lidar com tais situações.

X Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública
Saúde e Fronteiras do Novo Mundo
24 de outubro
Auditório interno da Fiocruz Brasília

Subtema: Emergências em Fronteira e Ações Sustentáveis
• Junia Quiroga, Representante Interina do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) no Brasil

Subtema: Panorama das Políticas de Acolhimento a Refugiados
• Federico Martínez-Monge, Representante Adjunto do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) no Brasil

Coordenadora da mesa:
• Fabiana Damásio, Diretora da Fundação Oswaldo Cruz – Fiocruz Brasília

INSCREVA-SE AQUI